A apreensão de mercadorias irregulares pela Receita Federal voltou a bater recorde em 2019. Segundo balanço divulgado hoje (21), o órgão confiscou R$ 3.256.750.247,91 em contrabando no ano passado, valor 3,22% maior que o registrado em 2018.

O número de operações de vigilância e repressão aduaneira também bateu recorde. Em 2019, a Receita fez 4.955 operações, contra 3.347 no ano anterior.

Entre os tipos de mercadorias recolhidas, os cigarros lideram a lista, concentrando 35,67% das apreensões. Em segundo lugar, estão os eletroeletrônicos, com 11,42%, seguido por vestuário (7,02%) e brinquedos (4,71%).

Em nota, a Receita Federal informou que o crescimento das apreensões é resultado dos investimentos em tecnologia, da capacitação dos servidores e da utilização dos instrumentos adequados, como scanners e cães farejadores. O órgão também cita o aumento das operações como fator que contribuiu para o recorde.

Entre as principais ações realizadas no ano passado, destacou a Receita, está a Operação Promitheia, realizada em setembro no bairro do Brás, em São Paulo. A ação resultou na apreensão de 870 toneladas de mercadoria, avaliadas em R$ 230 milhões.

Crédito: Agência Brasil

Foto: Divulgação Receita Federal