Buscas por criança desaparecida no córrego em Cumbica completam 10 dias

A busca pela criança de oito anos completa 10 dias, e até o momento sem nenhuma informação. O garoto brincava no córrego na avenida Lindomar Gomes de Oliveira, na região do Jardim Cumbica, na altura do número 100, quando acabou escorregando e foi levado pela enxurrada. O Corpo de Bombeiros rapidamente iniciou as buscas, e entre as principais dificuldades no local, encontraram o grande mato e muito lixo no córrego.

A reportagem do HOJE entrou em contato com a família do garoto, que revelou sobre o último contato feito com a equipe do Corpo de Bombeiros, onde eles afirmavam que as buscas estavam se intensificando próximo a região da Ayrton Senna. A família segue procurando no próprio córrego, além do rio Baquirivu, na rodovia Hélio Smith.

Segundo moradores, uma das principais preocupações sempre foi com a falta de proteção do córrego, o mato e o lixo, o que já teria provocado outros acidentes.

Reportagem: Ulisses Carvalho

Morador afirma que córrego onde criança está desaparecida já teve outros acidentes

O córrego da avenida Lindomar Gomes de Oliveira, na região de Cumbica, já teve outros quatro acidentes, isso segundo moradores próximos ao local. A criança de oito anos, que brincava próximo ao córrego, e continua desaparecida, não seria a primeira a cair, pois o auxiliar de coleta, André Rodrigues, revelou que já houve uma morte, e de uma criança de apenas quatro anos. “Já houve outros quatro acidentes, inclusive uma criança de quatro anos morreu porque caiu no córrego”, afirmou Rodrigues.

O HOJE recebeu denúncias de que moradores já haviam realizado pedidos para realização da limpeza no local no mês de fevereiro, mas a prefeitura não se pronunciou. “Aqui é muito fácil cair, está um descaso, não possui proteção nenhuma, além da grande quantidade lixo e mato”, revelou Rodrigues.

A criança estava brincando na última sexta-feira (17), quando acabou escorregando no início do córrego e foi levado pela enxurrada. Segundo moradores, com as fortes chuvas, o córrego chegou a transbordar.

Reportagem: Ulisses Carvalho

Corpo de Bombeiros continua as buscas por garoto que caiu em córrego na região de Cumbica

As buscas que se iniciaram na última sexta-feira (17), às 16h, na avenida Lindomar Gomes Pereira, continuam na região de Cumbica. O garoto de apenas oito anos, estava brincando com um amigo, quando acabou escorregando e foi levado pela água da enxurrada. O amigo, avisou a família, que logo começaram as buscas, e segundo a família, o garoto escorregou na entrada do córrego.

Uma das pessoas que trabalha próximo ao local, e que preferiu não se identificar, revelou ao HOJE, que o córrego sofre também com a grande quantidade de lixo e mato. Os moradores teriam entrado em contato com a prefeitura em fevereiro para a limpeza do córrego, mas não foram atendidos.

Criança desaparece em córrego na região de Cumbica

O Corpo de Bombeiros procura neste momento uma criança que caiu em um córrego na avenida Lindomar Gomes de Oliveira, na altura do número 460, por volta das 16h. R.A.S, de apenas oito anos, caiu no córrego que está abandonado pela prefeitura, e segundo uma moradora do local, que preferiu não se identificar, o grande mato próximo ao córrego não é por falta de aviso, pois a prefeitura nunca realizou a limpeza do local.

“Uma das grandes dificuldades do Corpo de Bombeiros para procurar o garoto é o mato no local, que está abandonado. Em fevereiro ligamos para prefeitura reclamando, e eles não informaram absolutamente nada, e agora olha o que aconteceu”, disse uma moradora sobre o desaparecimento da criança.

Segundo a avó da criança Maria da Conceição, o menino escorregou quando estava acompanhado de um amigo. “Ele escorregou na entrada do córrego e rapidamente a água levou ele. Havia um outro menino com ele, que rapidamente avisou os moradores, mas até o momento, ele não foi encontrado”, revelou a avó Maria.

Reportagem: Ulisses Carvalho

Moradores reclamam dos alagamentos no Córrego dos Japoneses

Uma grande chuva torna-se pesadelo para os moradores da região do Bom Clima, essa é a situação que ocorre no Córrego dos Japoneses, localizado na rua Maria Zintl, esquina com a rua Prefeito Antônio da Costa Santos, sempre alaga com as constantes chuvas, e causa grandes transtornos para a população, como lixo, ratos e animais mortos.

Segundo um morador do local, no trecho é necessário à construção de galerias, além da canalização. “Na prefeitura ele consta como canalizado, mas não é, há grelhas quebradas e a proteção do rio está danificada”, afirmou um morador que preferiu não se identificar. O córrego próximo ao Clube dos Japoneses, não suporta a demanda de água vinda dos bairros como Cocaia, Jardim Adriana e Jardim Jovaia, e assim transborda. Muitas pessoas brigaram ano passado pela canalização do córrego na gestão anterior, mas não conseguiram resposta.

Reportagem: Ulisses Carvalho

Córrego no Jardim Fortaleza vai receber muro de contenção

O Centro Operacional São João da Proguaru inicia nesta sexta-feira, dia 10, a construção de um muro de contenção no córrego que margeia a avenida João Collado, no Jardim Fortaleza. Segundo técnicos da empresa, a obra é necessária devido ao precário estado da via, sobretudo no trecho que ainda não conta com pavimentação, que está desabando em nas laterais e ameaça atingir uma residência.

Para executar o serviço, a Proguaru terá de utilizadar uma escavadeira hidráulica, retroescavadeiras, caminhões e uma equipe de pedreiros. Por conta disso e para facilitar o trabalho no local, o curso do córrego, que desemboca no rio Baquirivú, será desviado. A ação conta com autorização ambiental e ocorre em conjunto com a Secretaria de Meio Ambiente e a Defesa Civil.

“A obra no córrego é urgente e por isso temos que intervir rapidamente para evitar transtornos maiores”, disse o diretor-presidente da Proguaru, José Roberto Vomero. A previsão é de que os trabalhos durem algumas semanas até a sua conclusão.

Com produção de energia, empresa guarulhense pretende deixar de emitir 4 toneladas de CO²/ano

Empresa especializada em soluções de impressão e digitalização, a Reis Office apresentou na manhã desta terça-feira (7), seu sistema de autoprodução de energia elétrica. Com a iniciativa, ela pretende deixar de emitir cerca de 4 toneladas de CO² anualmente, além de economizar 20% do atual consumo deste insumo mensalmente.

Entretanto, a empresa tem como meta atingir até o mês de dezembro deste ano 60% do consumo de energia. Esta economia é proporcionada, atualmente, pela captação de energia solar por meio de 78 placas. A redução no consumo é revertida em desconto pela concessionária responsável pela distribuição de energia elétrica nas variadas formas indicadas pelo consumidor.

“Nossa estratégia de investimento em energia renovável se baseia no conceito de sermos uma empresa responsável com o meio ambiente. O retorno sobre o investimento tem previsão que seja para mais de sete anos, mas nosso objetivo é mostrar o pioneirismo não apenas em soluções de impressão de documentos, mas também em soluções para preservação ambiental”, explicou José Martinho Reis, presidente da Reis Office.

Iniciada em 9 de fevereiro, a instalação foi concluída e começa a operar a partir do dia 21, o que torna a Reis Office pioneira em mais de 25 cidades do estado de São Paulo neste tipo de projeto, segundo o cadastro da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A empresa apresentou o projeto ao prefeito Guti (PSB).

Reportagem: Antônio Boaventura
Foto: Ivanildo Porto